Tribunal de Justiça do Estado de SP publicou, em sete de fevereiro de 1997, a extinção do Programa Creche-Escola, reduzindo as vagas existentes a uma quantidade irrisória em relação aos funcionários que necessitavam da escola infantil para seus filhos. Então, formou-se uma Comissão de Mães, que, indignada, lutou pela garantia da educação e o restabelecimento do Programa, o que aconteceu ao final do mesmo ano com algumas mudanças significativas, que exigiram acompanhamento e esforço coletivo. Em númerosatuais, são 4.075 crianças atendidas. Decorrente do trabalho legítimo junto às famílias foifundada em 2002, a Associação de Mães e Pais Funcionários do Tribunal de Justiça – Amap, contando com a participação das mães beneficiadas pelo Programa Creche Escola. A Associação, sem fins lucrativos, apesar de formada por funcionários, é independente do Tribunal de Justiça, e luta com afinco pelos direitos humanos, bem estar das famílias, direito à Educação, proteção da criança e adolescente, e promoção social. Ampliando as áreas de atuação, a Amap, criou o Programa Educação em Dois Tempos, o qual aproximou a entidade das Comunidades periféricas, suas realidades e cotidiano, como as ações e projetos realizados junto ao Distrito de Brasilândia, zona norte da Capital de São Paulo.

A Amap é idealizadora de alguns projetos, destacando: • A Informação Salva Vidas • Leitura, Sabor & Cia. • Diálogos, Vivências e Autonomia; • Educando para o Futuro, que em 2015 (7ª edição) integrou o Festival de Direitos Humanos da Prefeitura Municipal de São Paulo; • Brasil Canta sua Arte.

Para prepararmos um almoço comunitário, bem acolher os participantes, principalmente as crianças e adolescentes, para as ações de cidadania, oficinas, apresentações artísticas, etc. • Infraestrutura necessária para o evento; • Locação: tendas, barracas, mesas, cadeiras e brinquedos; • Aquisição de materiais de higiene, papelaria, etc. • Ingredientes para o almoço, água e frutas.